Sinais clínicos de diabetes mellitus em cães e gatos

Sinais clínicos são úteis no diagnóstico e monitoramento do diabetes canino e felino. Outros exames de laboratório também são necessários para o diagnóstico do Diabetes mellitus e o monitoramento de animais de estimação diabéticos tratados.

Há três quadros clínicos distintos no diabetes mellitus:

Diabetes mellitus não complicado

Os sinais clássicos são poliúria, polidipsia, polifagia, caquexia e maior suscetibilidade às infecções (ex. infecções do trato urinário). Em complicações de longo prazo do diabetes devido à glicosilação da proteína pode ser observado cataratas (principalmente em cães) e neuropatia periférica (principalmente em gatos).

topo

Cetoacidose diabética

Cetoacidose diabética (CAD) é uma emergência metabólica grave.

CAD se desenvolve devido à longa presença do diabetes mellitus não diagnosticado, dose insuficiente de insulina em diabéticos tratados e ação deficiente da insulina e/ou resistência, causada por obesidade, doença ou medicamentos concomitantes. Isto é a causa de mais de dois terços dos casos de CAD.

Devido à falta de insulina, a glicose não pode ser utilizada como uma fonte de energia. As gorduras são quebradas para fornecer energia. Durante a lipólise são produzidos níveis elevados de cetones . Cetose e acidose se desenvolvem e são acompanhadas por desequilíbrio eletrolítico. A cetose causa anorexia, náusea e letargia.

Tratamento
A CAD é uma emergência e o tratamento deve ser iniciado o mais cedo possível. Os objetivos do tratamento são corrigir os déficits de fluidos, equilíbrio ácido-base e equilíbrio de eletrólitos, abaixar a glicose sanguínea e as concentrações de cetonas e reconhecer e corrigir fatores de base e desencadeantes.

A terapia inclui terapia com fluido intravenoso com fluidos isotônicos, ex. 0,9% de solução salina e administração intravenosa de insulina de rápida ação. Se possível, as concentrações de eletrólito e o equilíbrio ácido-base devem ser medidos e corrigidos. Caninsulin® é uma insulina de ação intermediária e não é adequada para administração intravenosa.

Quando a glicose sanguínea é reduzida e mantida entre 11 e 14 mmol/L (198 e 252 mg/dL) por pelo menos 4-10 horas, a terapia de insulina com Caninsulin® administrada subcutaneamente pode ser iniciada.

topo

Síndrome hiperglicêmica, hiperosmolar

Síndrome hiperglicêmica, hiperosmolar ou síndrome não-cetótica hiperosmolar (SHH) é uma complicação incomum do diabetes mellitus não tratado. É uma emergência e tem um prognóstico extremamente cauteloso.

SHH é caracterizada por hiperglicemia muito acentuada (ex. >36 mmol/l ou >650 mg/dL) e osmolaridade (>380 mOsm/L). Concentrações de glicose sanguínea tão altas que transfere água das células do cérebro por osmose e resulta em coma.

Diagnóstico
Inicialmente, antes da SHH se desenvolver, serão observados os sinais clínicos do diabetes mellitus típicos. Estes animais se tornam progressivamente mais fracos, anoréxicos e letárgicos e bebem menos. O exame físico frequentemente revela desidratação profunda, letargia e depressão grave ou coma. Parece haver uma relação direta entre a gravidade da hiperosmolaridade e a gravidade dos sinais clínicos.

Não há cetoacidose na SHH e as concentrações de glicose no plasma são muitos maiores (>36 mmol/l) na SHH do que na CAD.

Tratamento
A meta do tratamento é a correção do estado hiperglicêmico, hiperosmolar. Isto é alcançado por terapia com fluido intravenoso agressivo e redução da concentração de glicose sanguínea. Para as primeiras 4-6 horas, a terapia com fluido é crítica. A terapia de insulina pode ser retardada até a melhora da condição do animal.

Prognóstico
O prognóstico para recuperação total é extremamente cauteloso. Mesmo com tratamento apropriado, muitos animais morrem nas primeiras 24 horas; a taxa de sobrevida em longo prazo é cerca de 12%.

topo

Sinais clínicos de Diabetes Mellitus em Cães e Gatos